Controlo de Emissões
Recuperação de Produto
  • Esquemas
  • Soluções
  • Casos de Estudos
  • Referências
Dadas as dificuldades na obtenção de resultados por receitas crescentes, as empresas procuram cada vez mais soluções para reduzir os custos. Redução do consumo de energia tornou-se alvo de muitas empresas.

Em setores como o do cimento e o fabrico de aglomerados de madeiras, entre outros, a energia exigida é na maior parte sob a forma de calor. A maioria das empresas está a converter as suas caldeiras e aquecedores de óleo térmico para trabalhar com biomassa, em vez de óleo ou carvão, para reduzir custos e tornarem-se mais amigas do ambiente. Atualmente, a maior parte do calor gerado em muitas empresas é perdido ao longo do processo de fabrico.
Na indústria do cimento, a maioria das fábricas procura intencionalmente arrefecer o caudal de escape da torre de pré-aquecedor de 400ºC até 120ºC, para que possam ser limpos em filtros de mangas, dissipando aquele calor para a atmosfera.

Na indústria de aglomerados de madeira, muitas fábricas usam geradores a diesel extras para aquecer os secadores rotativos, apesar de usarem caldeiras de biomassa para a produção de vapor para toda a fábrica ou vender eletricidade para a rede. A alta concentração de cinzas no fluxo de gás quente produzido pela caldeira de biomassa não permitir que ele seja colocado de volta no processo.

Em incineradores de resíduos para energia, as cinzas nos gases de combustão são normalmente capturadas num pré-separador, tal como um multiciclone (MC) antes de entrar no economizador, seguido de injeção de reagente para neutralizar efluentes gasosos e, finalmente, num filtro de mangas para cumprir com as emissões antes de chegar à chaminé. O custo para a eliminação de cinzas perigosas capturadas no filtro de mangas é quase quatro vezes mais elevado do que a eliminação das cinzas capturado no MC devido à injeção do reagente.

O principal obstáculo para melhorar a eficiência energética destes processos encontra-se geralmente na forma de limpar os gases a alta temperatura, sem perdas térmicas, e recircular-los num sistema de recuperação de calor, tal como uma caldeira de recuperação, ou diretamente no processo de fabrico.

As necessidades do cliente incluem um sistema de despoeiramento eficiente para reduzir as partículas a um nível que o ar pode ser usado para fins de recuperação de energia e robusto o suficiente para operar em altas temperaturas com baixos custos de manutenção/exploração.
Mostrar tudo